Notícias

Fique por dentro dos assuntos relevantes da Rádio Xingó FM e do Brasil.

Execução do Capitão Oliveira foi motivada pelo combate ao crime na região, diz SSP

24.05.2018

Execução do Capitão Oliveira foi motivada pelo combate ao crime na região, diz SSP

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) esclareceu, em coletiva, na manhã desta quarta-feira (23) a ‘Operação Rubicão’ responsável pela prisão de suspeitos de participação na morte do comandante da Companhia Independente de Operações Policiais em Área de Caatinga (Ciopac), capitão Oliveira, em abril desse ano.

Foram cumpridos dez mandados de prisão relacionados ao crime e durante toda a operação, 10 pessoas foram mortas em confronto com a polícia, sendo seis no estado de Sergipe, entre eles dois irmãos, e quatro em cidades no interior da Bahia.

Para o delegado Dernival Eloi, diretor do Cope, a operação foi muito positiva e obteve grande êxito. “Os presos corroboraram a tese da motivação e da ação delitiva. Aguardamos alguns laudos e algumas prisões ainda podem ser feitas. Estamos diligenciando esperamos logo em breve prender mais indivíduos. A sociedade e a imprensa nos ajudaram muito na investigação”, disse.

Motivação

A motivação para o crime foi confirmada durante as investigações e segundo a SSP, ocorreu devido ao trabalho de repressão que vinha sendo realizado pelo Capitão Oliveira, que no ano de 2017, durante ações da Caatinga, alvejou dois homens acusados de crime de pistolagem. Dentre esses suspeitos está um ex-companheiro de uma presa durante a operação.

A ação é resultado do trabalho investigativo das equipes do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), Dvisão de Inteligência (Dipol), da Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Copci), além de contar também com a participação de equipes da Polícia Militar na execução das atividades, como também de contar com o apoio da polícia baiana.

Perícia

Os peritos oficiais do Instituto de Criminalística (IC) identificaram ao menos três tipos de armas utilizadas na ação criminosa sendo armas de calibres 12, 18 e ponto 40. As análises foram embasadas nas medições feitas no local, coletas de cápsulas e projéteis, e nos exames papiloscópicos realizados nos veículos e no corpo da vítima.

Fardamento

Polícia Federal analisa o material genético presente nos fardamentos da Polícia Militar de Sergipe, encontrados às margens da rodovia entre os municípios de Feira Nova a Graccho Cardoso, no sertão sergipano. O DNA para ajudar na identificação de possíveis suspeitos do crime.

Segundo a SSP, a polícia investiga se essas fardas teriam sidos usadas pelos envolvidos na morte do capitão. O material foi analisado pela perícia da Polícia Civil sergipana.

Rubicão

O nome da operação fez referência a um rio italiano que não poderia ser atravessado pelas tropas romanas por conta de uma lei, mas, ao ser afrontado, Júlio César decide fazê-lo e sua ação culmina numa guerra civil. A expressão ‘atravessar o Rubicão’significa a tomada de uma decisão perigosa, pensar grande, ou ainda, ultrapassar fronteiras, defrontando-se com um caminho duvidoso e potencialmente perigoso.

Com informações do G1

Fonte: Pingou Notícias